srpthumb-p23008-190x87-no copy

RGE e Ecofuturo anunciam a implantação de Biblioteca Comunitária em Taquara

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Unidade deve ser inaugurada no segundo semestre de 2018

A Rio Grande Energia (RGE), umas das empresas da CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, por meio do Instituto CPFL, anuncia a implantação de uma nova Biblioteca Comunitária em Taquara (RS). A previsão é que a unidade seja inaugurada no segundo semestre de 2018. A iniciativa é resultado de uma parceria entre o Grupo CPFL e o Instituto Ecofuturo, organização mantida pela Suzano Papel e Celulose, idealizador e responsável pela realização do projeto. A parceria abrange também a implantação de bibliotecas em outras cinco cidades, três no interior de São Paulo e mais duas no Rio Grande do Sul: Igrejinha, em fase de implantação, e Nova Hartz, inaugurada no fim de novembro, ambas no Vale do Paranhana.

O projeto é financiado pelo BNDES a partir do uso de recursos do subcrédito social. O objetivo é apoiar e fortalecer políticas públicas de leitura e de biblioteca, além de democratizar o acesso aos livros e promover a formação de leitores. A Prefeitura também apoia a implantação e é responsável por ceder o local, manter o espaço depois de inaugurado e contratar os dois funcionários que atuarão na biblioteca.

Criado em 1999 pelo Instituto Ecofuturo, o projeto de Biblioteca Comunitária conta com a participação da sociedade ao longo de todo seu desenvolvimento. Desde o início, é feita uma mobilização das comunidades do entorno para acompanhamento, sugestões sobre o processo e composição de parte do acervo.

A implantação da biblioteca em Taquara levará aproximadamente 12 meses. O local onde a unidade será instalada é definido em conjunto com o poder público, após a realização de um diagnóstico e visita técnica ao município. Por ter caráter comunitário, um dos pré-requisitos para a implantação é que a comunidade tenha acesso irrestrito à biblioteca, assim como estudantes e educadores, quando implantada em escola da rede pública.

Após esta definição, é promovido um encontro para que moradores da região conheçam o projeto e elejam um representante que acompanhará todas as etapas. Outra fase da implantação é a formação de cerca de 30 educadores e pessoas da comunidade em cursos de Auxiliar de Biblioteca e Promoção de Leitura, e em uma oficina de Educação Socioambiental, que visa valorizar o ambiente natural como espaço educador. Dois dos participantes serão funcionários da nova biblioteca. O projeto oferece ainda uma oficina de Gestão e Sustentabilidade a funcionários da prefeitura, com o objetivo de orientá-los sobre orçamento municipal e outros recursos públicos federais e estaduais que podem ser destinados ao financiamento e manutenção de bibliotecas.

A unidade recebe 1.000 livros novos de literatura, dois computadores, impressora, software para gestão da biblioteca, equipamento de TV e Blu-Ray, além do mobiliário necessário para compor o espaço. Dos livros adquiridos, 30% são escolhidos pela comunidade e a seleção dos outros 70% é realizada por especialistas da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), executora técnica do projeto.

O investimento da RGE e da CPFL Energia no projeto, incluindo as seis bibliotecas nos Estados do Rio Grande do Sul e de São Paulo, é de cerca de R$ 2 milhões. Coordenada pelo Instituto CPFL, responsável pelas ações sociais, culturais e atividades esportivas do Grupo CPFL, a iniciativa é parte da estratégia de uso dos recursos do subcrédito social, uma linha de crédito concedida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Com iniciativas como essa, a CPFL Energia contribui para o aperfeiçoamento de políticas públicas e o desenvolvimento sustentável das comunidades onde atua.

“Esta iniciativa vai ao encontro do objetivo da CPFL Energia e do Instituto CPFL de estimular e fortalecer o protagonismo das lideranças locais, apoiando o aprimoramento de políticas públicas. Queremos não apenas criar uma biblioteca, mas uma rede de bibliotecas integradas a ações de incentivo à leitura. Queremos, até o fim do ano, ampliar essa rede de pontos de leitura e estímulo à leitura para outros estados”, diz Mário Mazzilli, diretor-superintendente do Instituto CPFL.

Com as novas implantações, serão 113 Bibliotecas Comunitárias Ecofuturo distribuídas em 12 Estados brasileiros. “Estamos muito felizes com a parceria com o Grupo CPFL para a ampliação do projeto, pois acreditamos na importância da leitura para o desenvolvimento das crianças e para o melhor desempenho em todas as disciplinas. Para que elas leiam, no entanto, é necessário que tenham acesso aos livros e que a prática da leitura seja incentivada. Os pais e a escola são os principais responsáveis pelo estímulo desse hábito e, por isso, focamos na implantação de bibliotecas preferencialmente em escolas públicas e também abertas à comunidade. Dessa forma, o novo espaço cultural contribui ainda para um maior envolvimento e participação da família na vida escolar dos filhos”, afirma Marcela Porto, superintendente do Instituto Ecofuturo.

Sobre o Instituto Ecofuturo

O Instituto Ecofuturo, mantido pela Suzano Papel e Celulose, contribui para transformar a sociedade por meio da conservação ambiental e promoção de leitura. Desde 1999, mantém projetos relacionados ao fortalecimento da prática de leitura, universalização de bibliotecas e conservação do meio ambiente, atuando como articulador entre a sociedade civil, o poder público e o setor privado. Por acreditar que pessoas e o meio são indissociáveis, o Instituto Ecofuturo apoia a formação de cidadãos críticos e responsáveis, capazes de interagir positivamente entre si e com o ambiente, transformando o presente e o futuro para melhor. Para mais informações, visite www.ecofuturo.org.br, acesse o perfil no Facebook.

Sobre a RGE

A Rio Grande Energia (RGE) é a distribuidora de energia elétrica da região norte-nordeste do Estado do Rio Grande do Sul. Originada do modelo de concessão pública para distribuição de energia elétrica em 21 de outubro de 1997, a empresa atende 255 municípios gaúchos, o que representa 54% do total de municípios do Estado.

A área de cobertura da RGE divide-se em duas grandes regionais: a Centro, com sede em Passo Fundo, e a Leste, com sede em Caxias do Sul. São 90.718 km² – 34% do território do Estado. Agrupadas, essas regiões apresentam um dos melhores índices sociais e econômicos do Brasil e também são as responsáveis pelo maior polo agrícola, pecuário, industrial e turístico do Estado.

A RGE se orienta pela Gestão de Qualidade Total para atingir, cada vez mais, altos níveis de eficiência para seus consumidores sendo parceira dos municípios gaúchos no desenvolvimento econômico do RS dentro de sua área de concessão. Desde 2006 a RGE passou a fazer parte integralmente do grupo CPFL Energia, o maior grupo privado do setor elétrico brasileiro.

Sobre a CPFL Energia

A CPFL Energia, há 105 anos no setor elétrico, atua nos segmentos de distribuição, geração, comercialização e serviços. Desde janeiro de 2017, o Grupo faz parte da State Grid, estatal chinesa que é a segunda maior organização empresarial do mundo e a maior companhia de energia elétrica, atendendo 88% do território chinês e com operações na Itália, Austrália, Portugal, Filipinas e Hong Kong.

Com 14,3% de participação, a CPFL Energia é líder no mercado de distribuição, totalizando mais de 9,1 milhões de clientes em 679 cidades, entre os estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Na comercialização, é uma das líderes no mercado livre, com participação de mercado de 14,1% na venda para consumidores finais. É líder na comercialização de energia incentivada para clientes livres entre as comercializadoras.

Na geração, é a terceira maior agente privada do País, com um portfólio baseado em fontes limpas e renováveis, como grandes hidrelétricas, usinas eólicas, térmicas a biomassa, Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) e usina solar. Considerando a participação acionária na CPFL Renováveis, maior empresa de geração da América Latina a partir de fontes alternativas de energia, a capacidade instalada do Grupo CPFL alcançou 3.283 MW, no final do terceiro trimestre de 2017.

 A CPFL Energia possui ações listadas no Novo Mercado da B3 (antiga BM&FBovespa) e ADR Nível III na NYSE. Pelo 13º. ano consecutivo, as ações da companhia integram a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. O Grupo também ocupa posição de destaque em arte e cultura, entre os maiores investidores brasileiros, por meio do Instituto CPFL.​

Sobre o Instituto CPFL

O Instituto CPFL nasceu em 2003 como programa cultural do grupo CPFL Energia, disposto a promover o diálogo e a reflexão sobre temas e práticas do mundo contemporâneo, com foco no compartilhamento do conhecimento. O programa cresceu e hoje centraliza também ações sociais, esportivas e de qualidade de vida, levando mobilização e transformação, através do conhecimento, aos mais diversos públicos por meio de plataformas digitais e de atividades gratuitas em cidades de influência do grupo CPFL Energia. É responsável por projetos como a série de debates Café Filosófico CPFL, o Circuito CPFL de Arte e Cultura, o Circuito Energia, o programa Música Contemporânea e o Cine CPFL. O Instituto CPFL acredita que construir valores simbólicos, empoderar diversidades, reduzir vulnerabilidades, valorizar patrimônios físicos e imateriais e incentivar projetos coletivos de vida ampliam a capacidade das pessoas de ver e de estar no mundo.