srpthumb-p23008-190x87-no copy

Parque das Neblinas integra estudo científico sobre espécie de primata ameaçada de extinção

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Reserva é ponto de pesquisa sobre áreas demográficas do macaco Muriqui

O Parque das Neblinas, reserva ambiental da Suzano Papel e Celulose gerida pelo Instituto Ecofuturo, foi um dos sítios de pesquisa para o estudo Demographic monitoring of wild Muriqui populations: Criteria for defining priority areas and monitoring intensity, realizada por 11 pesquisadores, com apoio do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Muriquis, coordenado pelo ICMBio. O estudo também usou como base outras 34 áreas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Paraná.

Com objetivo de contribuir para conservação do muriqui do sul ou mono-carvoeiro, maior primata das Américas e atualmente em perigo crítico de extinção, a pesquisa mapeou e analisou as populações conhecidas da espécie a fim de identificar áreas e prioridades para monitoramento, bem como estabelecer métodos para a implementação de programas integrados de monitoramento demográfico para primatas ameaçados de extinção.

O pesquisador responsável pelo estudo de muriquis do sul no Parque das Neblinas, Prof. Dr. Mauricio Talebi, da Universidade Federal de São Paulo, Campus Diadema, enfatiza a importância da localidade às estratégias nacionais de pesquisa e conservação da espécie. “O Parque das Neblinas está localizado nos domínios da Serra do Mar e sua localização geográfica indica a única população da espécie sob monitoramento na região. A continuidade dos estudos na área garantirá a inserção da localidade em plataformas nacionais e internacionais para a pesquisa cientifica aplicada à conservação da espécie, possibilitando assim a preservação deste magnífico primata brasileiro”, explica.

Localizado em Mogi das Cruzes e Bertioga, em São Paulo, o Parque das Neblinas tem mais de 1.250 espécies da biodiversidade já registradas em sua área de 6 mil hectares de Mata Atlântica, sendo 23 delas ameaçadas de extinção. “Nós promovemos continuamente iniciativas com foco na restauração florestal, conservação e educação socioambiental. Contribuir e fazer parte de um estudo como esse, efetuado com os métodos de monitoramento de muriquis em natureza, está atrelado aos nossos objetivos, e é muito gratificante. Mais de 50 pesquisas já foram realizadas no Parque das Neblinas e estou certo que ainda há muitas oportunidades para estudos sobre dinâmica populacional de fauna e flora, estratégias de restauração e conservação, manejo e dinâmica hidrológica”, afirma Paulo Groke, Diretor de Sustentabilidade do Instituto Ecofuturo.

Mais informações sobre a pesquisa: https://goo.gl/9nDqRf

Para fotos, acesse: https://www.dropbox.com/l/scl/AAA7AxrMRd34hvqyoRX-gj4z2UiqixfZ_9c

Sobre o Parque das Neblinas

Reconhecido pelo Programa Homem e Biosfera da UNESCO como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o Parque das Neblinas está localizado a cerca de 100 quilômetros de São Paulo, nos municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga.  É uma reserva ambiental da Suzano Papel e Celulose, gerida pelo Ecofuturo, com 6 mil hectares de área, onde são desenvolvidas atividades de visitação, pesquisa científica, educação socioambiental, manejo florestal e participação comunitária.

Sobre o Instituto Ecofuturo

O Instituto Ecofuturo, mantido pela Suzano Papel e Celulose, contribui para transformar a sociedade por meio da conservação ambiental e promoção de leitura. Desde 1999, mantém projetos relacionados ao fortalecimento da prática de leitura, universalização de bibliotecas e conservação do meio ambiente, atuando como articulador entre a sociedade civil, o poder público e o setor privado. Por acreditar que pessoas e o meio são indissociáveis, o Instituto Ecofuturo apoia a formação de cidadãos críticos e responsáveis, capazes de interagir positivamente entre si e com o ambiente, transformando o presente e o futuro para melhor. Para mais informações, visite www.ecofuturo.org.br, acesse o perfil no Facebook.