Estudo divulgado pelo CISA revela que religiosidade influencia o consumo de álcool na adolescência

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Pesquisa feita nos Estados Unidos mostra que o envolvimento religioso pode diminuir o uso abusivo de álcool na juventude

Estudo norte-americano divulgado pelo CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool – aponta que a religiosidade tornou-se uma proteção contra o consumo abusivo de álcool por indivíduos que possuam em sua linhagem genética ou familiar transtornos relacionados ao uso de bebida alcoólica.

O estudo foi realizado com o objetivo de compreender a relação entre a hereditariedade e o meio social, verificando o quanto a religiosidade influi na variabilidade genética do consumo problemático de álcool entre homens e mulheres em dois momentos: a adolescência e início da idade adulta.

A pesquisa avaliou a variabilidade genética, termo utilizado para definir mudanças que ocorrem no conteúdo genético de um organismo devido a diversos fatores. Entre eles, a mutação espontânea no DNA; as influências ambientais, que podem causar diferenças na expressão dos genes (fenótipos); e a religiosidade, termo utilizado para descrever diversos aspectos da vida de um indivíduo que possui uma religião, como suas crenças, valores e comportamentos.

Os autores avaliaram 2.754 gêmeos, entre 12 a 18 anos (1.311 homens e 1.443 mulheres), e 2.486 gêmeos dos 17 aos 29 anos (1.153 homens e 1.333 mulheres). A religiosidade e o uso prejudicial de álcool foram avaliados por meio de dois questionários padronizados.

Os resultados demonstram que, na adolescência, a variabilidade genética do uso nocivo de álcool diminuiu significativamente com o aumento dos níveis de religiosidade em homens e mulheres. Já no início da idade adulta, a religiosidade não influenciou na variabilidade genética do consumo problemático de álcool em ambos os sexos.

Isso significa que maiores níveis de religiosidade estão associados a menores níveis de problemas relacionados ao uso de álcool; e a manifestação de problemas decorrentes do uso de álcool em indivíduos predispostos é atenuada por maiores níveis de religiosidade, tanto para adolescentes homens quanto para mulheres.

Há também indicação de que a variabilidade genética reduzida para consumo problemático de álcool na adolescência pode ser a consequência de um maior controle social na adolescência do que na idade adulta jovem. Portanto, algumas religiões podem proibir, ou pelo menos restringir, o consumo de álcool, reduzindo o uso em seus seguidores. Dessa forma, a religião pode interferir no comportamento e na subsequente manifestação de problemas relacionados ao uso do álcool, colocando-se acima da predisposição genética.

 

Título da pesquisa: The moderating effect of religiosity on the genetic variance of problem alcohol use.

Autores: Button TM, Hewitt JK, Rhee SH, Corley RP, Stallings MC.

Fonte: Alcohol Clin Exp Res. 2010;34(9):1619-24.