CISA alerta para os prejuízos do consumo excessivo de álcool entre jovens

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Com a proximidade do Dia Mundial da Saúde, ONG reúne dados para a conscientização do consumo de bebidas alcoólicas

O Centro de Informações sobre Saúde e Álcool – CISA, organização não governamental que se destaca como uma das principais fontes no País sobre o tema, reúne dados relevantes sobre os prejuízos do consumo excessivo de bebidas alcoólicas por jovens devido à proximidade do Dia Mundial da Saúde, celebrado no dia 7 de abril.

O álcool atua como um depressor de muitas ações no Sistema Nervoso Central (SNC), ou seja, atua diretamente no cérebro do indivíduo. Em pequenas quantidades, o álcool promove desinibição. Mas, com o aumento da concentração, o indivíduo passa a apresentar uma diminuição da resposta aos estímulos, fala pastosa, dificuldade à deambulação, entre outros. Em concentrações muito altas, o indivíduo pode ficar comatoso ou até mesmo morrer.

Um estudo recentemente divulgado pelo CISA revela que uma consequência adversa comum ao uso abusivo de álcool*, principalmente entre os jovens, é o lapso de memória ou o blecaute alcoólico (BA), definido como a incapacidade de lembrar fragmentos ou períodos inteiros de eventos ocorridos enquanto se está acordado e bebendo. De acordo com pesquisas, estima-se que ao menos 50% dos adultos bebedores já tiveram algum episódio de blecaute, assim como 80% dos indivíduos com transtornos por uso de álcool, sendo um critério cada vez mais avaliado em pesquisas sobre o alcoolismo.

Os autores do estudo destacam que médicos e pais devem estar atentos ao fato de que, para a maioria dos jovens, os eventos de BA não são isolados e sua ocorrência é preditiva da trajetória futura de consumo nocivo de álcool. O episódio de BA está associado a altos níveis de concentração de álcool no sangue, que podem indicar ou causar problemas relacionados à bebida, como grandes chances de exposição a sexo desprotegido, lesões, acidentes e diversas complicações de saúde.

Já outra pesquisa, também divulgada pelo CISA, revela dados sobre o consumo de bebidas alcoólicas entre jovens. Segundo esse estudo e inúmeros outros levantamentos, o consumo precoce de álcool – na adolescência – pode causar prejuízos para a saúde na vida adulta, como doenças, comportamentos antissociais e maior frequência do abuso e dependência do álcool, além do consumo e abuso de outras substâncias psicoativas.

Os resultados da pesquisa sugerem que, mesmo com o ajuste para potenciais fatores de confusão, a exposição e intoxicação por álcool na adolescência mantiveram associações causais sobre as medidas de uso e abuso de álcool e outras drogas quando adultos, além de outros comportamentos externalizantes, como sintomas antissociais, estresse gerado por atitudes individuais e problemas interpessoais. A pesquisa mostrou, ainda, que o indivíduo que não foi exposto à bebida apresentou menor risco para os efeitos analisados do que o que bebeu. Em relação à independência e função social quando adulto, não houve diferença para consumidores precoces se excluídos os fatores de confusão.

Dessa última análise, conclui-se que o consumo precoce do álcool funciona como forte preditor de problemas por uso de álcool na vida adulta, e que parte dos mecanismos envolvidos implica na relação direta de causa e consequência, apesar de não serem todos. Os autores apontam, também, para a existência de outros fatores de confusão ainda desconhecidos, para os quais serão necessários estudos futuros.

*O consumo nocivo está relacionado ao padrão de consumo na forma de beber pesado episódico (BPE), que é definido pelo National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism (NIAAA) como a ingestão de 5 ou mais doses de álcool para homens e 4 ou mais doses para mulheres em um período de até 2h.

Título dos estudos: Latent Trajectory Classes for Alcohol-Related Blackouts From Age 15 to 19 in ALSPAC. Tests of the effects of adolescent early alcohol exposures on adult outcomes.
Autores: Marc A. Schuckit, Tom L. Smith, Jon Heron, Matthew Hickman, John Macleod, Marcus R. Munafo, Kenneth S. Kendler, Danielle M. Dick, and George Davey-Smith. Daniel E. Irons, William G. Iacono & Matt McGue.
Fontes: Alcoholism: Clinical and Experimental Research, Dez 2014. Addiction Journal, 2015.