Bachiana Filarmônica SESI-SP realiza apresentação no Colégio Visconde de Porto Seguro

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O concerto, com o objetivo de democratização da cultura, será gratuito para alunos e familiares

 

A Bachiana Filarmônica SESI-SP tocará sob a regência de seu maestro titular e diretor artístico João Carlos Martins, no dia 20 de fevereiro, a partir das 10h, no auditório Alberto Fortner, na unidade Morumbi do Colégio Visconde de Porto Seguro, em São Paulo.

 

A apresentação faz parte do Plano Anual de Concertos 2016 da Bachiana, que visa democratizar a música clássica, levando-a para comunidades e classes sociais de diversos segmentos econômicos.

 

Esses concertos são um dos objetivos do maestro João Carlos Martins, que, juntamente com a Fundação Bachiana, coordena o projeto social A Música Venceu, que tem como meta democratizar o acesso à música clássica e contribuir para a formação de crianças e adolescentes de áreas carentes. Já o Colégio Visconde de Porto Seguro, desde 1966, possibilita o acesso à educação por meio do projeto Escola da Comunidade, que atualmente oferece 1.700 bolsas de estudos para crianças, jovens e adultos, além de cursos profissionalizantes.

 

“Estou profundamente empenhado em realizar o sonho de Villa-Lobos de fechar o Brasil em forma de coração, democratizando a música”, conta João Carlos Martins.

 

A orquestra levará ao público obras alusivas à Grécia Antiga de grandes nomes da música clássica, como Beethoven e Mozart. Os ingressos estão sendo distribuídos pelo Colégio para alunos e familiares.

 

 

João Carlos Martins

Símbolo de superação e talento, João Carlos Martins é considerado um dos maiores intérpretes de Johann Sebastian Bach. Iniciou seus estudos de piano aos oito anos e, três anos depois, começava sua carreira no Brasil. Aos dezoito, já estava tocando no exterior. Teve como um dos pontos altos de sua carreira a gravação da obra completa de Bach para teclado. Por problemas físicos, abandonou os palcos como pianista no ano de 2002, mas não deixou a música de lado e retornou aos palcos em 2004 como maestro. Hoje, aos 74 anos, é regente e diretor artístico da Bachiana Filarmônica SESI-SP, já lançou 25 álbuns, escreveu um livro emocionante sobre sua vida, intitulado “A Saga das Mãos”, é o único brasileiro a ter sua vida registrada por cineastas europeus por duas vezes, e conta com um registro fotobiográfico, lançado na ONU.

 

Bachiana Filarmônica SESI-SP

Quando João Carlos iniciou o projeto de criar uma orquestra apenas com a iniciativa privada, muitos duvidaram, mas já são mais de mil apresentações nos principais teatros do Brasil e do mundo. A qualidade dos músicos da Bachiana, selecionados entre as melhores orquestras brasileiras, tem sido muito elogiada. São profissionais que fazem questão de aprimorar seu talento com trabalho e estudo. Fundada em 2004, a orquestra não tardou a ganhar o merecido reconhecimento. Após cinco temporadas em que se apresentou pelo Brasil, encantou o público americano com cinco atuações de gala – duas no Carnegie Hall, em 2007 e 2008, e três no Lincoln Center, em 2009, 2010 e 2011.