Arquivos mensais: setembro 2011

3ª Carta Diretriz do IBGC discute Laudos de Avaliação

Instituto se posiciona sobre o tema e orienta as melhores práticas sob o ponto de vista da Governança 

Com o objetivo de tratar as melhores práticas no processo de elaboração dos laudos de avaliação, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) divulga sua 3ª Carta Diretriz. O documento é um posicionamento que discute a eficácia do atual padrão utilizado pelo mercado, além de orientações para a produção de laudos, a escolha dos avaliadores e a inclusão de novas informações.

“O objetivo da Carta Diretriz do IBGC é criar um sistema formal e ainda mais transparente para a elaboração dos laudos de avaliação. Para isso, o documento aponta as melhores práticas entre os avaliadores, o procedimento em caso de conflitos de interesses e até a forma como a empresa disponibiliza o material para o mercado”, afirma o coordenador da Comissão Gestora de Cartas Diretrizes do IBGC, Renato Chaves.

Os laudos de avaliação vêm sendo questionados pelo mercado com o propósito de produzir um documento com alto padrão de qualidade nas informações, análises apresentadas e com rigor técnico que garantam o valor justo das companhias e seus ativos.

Sob o ponto de vista da Governança Corporativa, a 3ª Carta Diretriz do IBGC recomenda um processo criterioso do conselho de administração para a seleção e contratação dos avaliadores, determinando perfil e metodologia de trabalho.

As boas práticas aos profissionais responsáveis pela avaliação do laudo também são abordadas no posicionamento do IBGC, reforçando a independência e o posicionamento crítico, assim como a abstenção de votos de acionistas quando há conflito de interesses e em casos de incorporação de companhia controlada.

Na carta, o IBGC define como primordial a responsabilidade dos administradores no processo de escolha dos avaliadores e na análise profunda do processo de preparação do laudo, considerando a transparência adotada e a qualidade das informações apresentadas.